Corpo - Contato Improvisação - Artes do corpo - Videodança.

sábado, dezembro 15, 2007

O QUE PODE UM CORPO? - VÍDEO

VÍDEO: O QUE PODE UM CORPO?
DANÇARINOS: HUGO LEONARDO, DÓRIS FERNANDES E PARTICIPANTES DA JAM DE CONTATO IMPROVISAÇÃO DE AGOSTO DE 2007, NO TEATRO GREGÓRIO DE MATOS.
IMAGENS E EDIÇÃO: DRICA ROCHA
EDIÇÃO DE ÁUDIO: MATHIAS GROB
MÚSICOS:MATHIAS GROB, GIANCARLO E ROQUE JÚNIOR.

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Contact in Rio - Festival de Dança Contato Improvisação




















Serão exibidos os vídeos "O QUE PODE UM CORPO" e uma edição da performance lama " O JARDIM DAS DELÍCIAS 1" no Festival internacional que acontecerá no Rio de janeiro, em Janeiro de 2008.
E possivelmente no dia dedicado a performances no Festival, terá uma edição da performance lama, com Hugo Leonardo, Rossana Alves, Drica Rocha + a câmera dançante, e interessados em dançar lameados!

Veja a Programação do Festival abaixo ou no blog do festival:
http://contactinrio.multiply.com/




quarta-feira, dezembro 12, 2007

Oficina - Performance _ Jam Session de Dança Contato Improvisação

Dia 19/12, veja o que acontece:

















foto: drica rocha


Trabalhar com as múltiplas inteligências do corpo, na presença e proximidade do outro, é a proposta da oficina e da jam session que serão promovidas por Hugo Leonardo, responsável pelo projeto de Dança Em Com Tato – Prática e Pesquisa em Contato, Improvisação e Performance. Um dos contemplados pelo edital de Apoio à Pesquisa e Projetos Artístico-educativos em Dança, da FUNCEB, o projeto tem como base o Contato Improvisação (CI), que se materializa na articulação de contato corporal, peso e fluência, a fim de questionar padrões estéticos pré-definidos e aceitos. O conceito de CI surgiu na década de 70, nos Estados Unidos, criando uma nova forma de investigar a Dança e propõe a quebra da rigidez dos movimentos e do controle absoluto sobre o corpo.

Onde: Espaço Xisto Bahia. Tel.: 71 3117-6155
Quando: Dia 19/12, qua, às 15h (oficina) e às 19h (jam session)
Quanto: Oficina grátis e R$ 10 e 5 (jam)
Realização: FUNCEB

fonte: http://www.fundacaocultural.ba.gov.br/agendacultural/0712/data/19.htm

terça-feira, dezembro 04, 2007

PERFORMANCE LAMA 01 - FOTOS DO VÍDEO

FOTOS DO VÍDEO PERFORMANCE LAMA - EM BREVE O VÍDEO DISPONÍVEL NESTE BLOG.


PEQUENO TRECHO DO VÍDEO DA PERFORMANCE LAMA - O QUE PODE UM CORPO 01: O JARDIM DAS DELÍCIAS TERRENAS

sexta-feira, novembro 30, 2007

A dança - Matisse

A dança - Matisse, versão da Peformance Lama realizado com Dança Contato Improvisação nas dunas de Stela Mares em Salvador.
































"Eu tenho uma espécie de dever,
de dever de sonhar,
de sonhar sempre,
pois sendo mais do que
uma espectadora de mim mesma,
eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso.
E assim me construo a ouro e sedas,
em salas supostas, invento palco, cenário,
para viver o meu sonho
entre luzes brandas
e músicas invisíveis.
(Fernando Pessoa)

quinta-feira, novembro 22, 2007

JAM CONTATO IMPROVISAÇÃO - DIA 24/11 - CANCELADA

CANCELADA A JAM DO DIA 24/11 na FUNCEB.

PRÓXIMO ENCONTRO ORGANIZADO POR HUGO LEONARDO SERÁ 19/12 , NO ESPAÇO XISTO.

ATÉ MAIS,
DRICA.

sexta-feira, novembro 16, 2007

WORLD DANCE ALLIANCE OF AMERICAS - JAM CONTACT IMPROVISATION

AMANHÃ 17/11 SERÁ O ÚLTIMO DIA DESTE ENCONTRO MARAVILHOSO DE DANÇA QUE ESTÁ ACONTECENDO EM SALVADOR!
Além das palestras, mesas redondas, workshops, performances, teremos uma JAM SESSION DE DANÇA CONTATO IMPROVISAÇÃO, com coordenação de David Iannitelli.
Sábado 17/11, às 18:00h, no Palco Platô na Escola de Dança da UFBA.
Aberta a participação de todos os interessados! É só chegar e dançar!

WORLD DANCE ALLIANCE OF AMERICAS

ASSEMBLÉIA GERAL DAS AMÉRICAS 2007
Parceria entre a FUNCEB e a Escola de Dança da UFBA traz a Salvador
encontro mundial da Dança

Salvador vai respirar Dança entre os dias 14 e 17 de novembro. Neste período, a cidade sedia a Assembléia Geral das Américas 2007, da World Dance Alliance (WDA), um fórum de discussões sobre diversos temas relacionados à Dança. A Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) apóia o evento, que é realizado pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e integra a programação composta por palestras, apresentações de trabalhos e mediações de debates. O evento reunirá dançarinos amadores e profissionais, alunos, coreógrafos, professores, pesquisadores e representantes de instituições de Dança das três Américas.

A Assembléia Geral das Américas tem como objetivo estabelecer a difusão e o intercâmbio de conhecimentos, materiais e métodos de pesquisa em Danças. Este ano, o tema é “Dança como Conhecimento, Dança como Ação” e as atividades acontecerão na Escola de Dança da Ufba e nas salas da Faculdade Social da Bahia, incluindo performances, exposições (visuais e bibliográficas) e mini-cursos.

Fundada em 1993, em Hong Kong, a WDA atua como rede de contato entre pessoas que estudam, praticam e a dança como forma de conhecimento e prática de desenvolvimento pessoal e humano. A organização tem diversas linhas de ação ligadas à dança e aos dançarinos, inclusive em questões jurídicas, de bem-estar econômico e social dos profissionais da área, marketing, produção, memória e tradição desta arte. Os objetivos da organização são: promover a difusão e o acesso à dança como arte, ritual e expressão tradicional em comunidades de todos os continentes; encorajar a preservação da dança em registros de notação, filme e outros; e realizar o intercâmbio entre indivíduos, grupos e instituições de dança de todo o mundo.

Ao mesmo tempo em que acontece a Assembléia, o Programa de Pós Graduação em Dança Stricto Sensu da UFBA realizará o Simpósio Dança e Universidade: rede de pesquisadores de Dança das Américas. Os coordenadores do Simpósio pretendem reunir representantes de programas de pós-graduação em Dança para discutir pesquisas e procedimentos universitários, abrindo possibilidades para o desenvolvimento de convênios, parcerias, associações e colaborações nos âmbitos artísticos e acadêmicos em nível internacional. “É de grande importância este momento, pois vamos discutir questões específicas desta arte e ter a dança como foco, como objeto de estudo. A realização destes dois eventos reafirma a Bahia como um centro de Dança no país”, afirma a Diretora da Escola de Dança da UFBA, Dulce Aquino.

As inscrições já estão abertas e acontecem na Escola de Dança da UFBA, das 10h às 18h e custam R$ 50 (cinqüenta reais).

Informações
Chefia do Departamento de Técnicas e Práticas Corporais da Escola de Dança da UFBA - Leda Muhana: (71) 8821-9397
Chefia do Departamento de Teoria e Criação Coreográfica da Escola de Dança da UFBA - David Iannitelli: (71) 8847-0169 ou davidi@ufba.br.

Confira a Programação

Serviço
O quê: Assembléia Geral das Américas 2007 (WDA) e Simpósio “Dança e Universidade: rede de pesquisadores em Dança das américas”
Quando: de 14 a 17/11
Onde: Escola de Dança da UFBA - Av. Ademar de Barros s/n, Campus Universitário de Ondina - Ondina, tel (71) 3283-6579 e Faculdade Social da Bahia - Av. Oceânica, nº 2717, Ondina, tel (71) 4009-2840/41, das 9h às 20h
Realização: Escola de Dança da UFBA

TEXTO RETIRADO DO SITE: http://www.fundacaocultural.ba.gov.br/noticias/2007/11novembro/2007-11-13_worlddance.htm

quarta-feira, novembro 14, 2007

CONTATO IMPROVISAÇÃO - Confirmação da Performance Lama dia 18/11



CONFIRMADO O ENCONTRO PARA A PERFORMANCE LAMA DIA 18/11, DOMINGO.

CONFIRMEM A PRESENÇA POR E-MAIL ATÉ SÁBADO PARA AJUSTARMOS DETALHES SOBRE O ENCONTRO:

sotao73@gmail.com

ABRAÇOS DE LAMA,
DRICA.

quinta-feira, novembro 08, 2007

CONTATO IMPROVISAÇÃO COM LAMA

CONTATO IMPROVISAÇÃO - PERFORMANCE LAMA

Olá pessoas dançantes,














Vai Rolar o projeto "O JARDIM DAS DELÍCIAS" EDIÇÃO NÚMERO 02

O primeiro encontro foi uma delícia, uma experiência e tanto. Sentimos as facilidades e dificuldades em dançar com uma nova textura sobre a nossa pele e com o outro, uma sensação ímpar! E tivemos imagens muito boas também!

A segunda teremos mais alguns cuidados estéticos importantes para o conjunto do trabalho!

Veja o convite abaixo:

O que: Performance Lama + Piquenique
Quando: Domingo, 18/11/2007
Hora do encontro para ir para a praia: saída pela manhã
Horário da performance: em torno das 16:00h

Observação: Se for possível cada participante levar um 1kg de argila + comidinhas para o piquenique, vai ser bom!

ENVIEM UMA RESPOSTA PARA MIM PARA EU VER O NÚMERO DE INTERESSADOS PARA ESTE ENCONTRO!

Cuidados importantes para o segundo encontro:

1. Teremos vasos de cerâmica para colocar a argila em pó
2. Vestimenta:
para as meninas: sutiã e calcinha cor bege
para os meninos: se tiverem cueca bege também

3. bacia de cerâmica para preparo da lama

4. Concentração para o momento da performance - Dinâmica com Hugo Leonardo

Aguardo resposta de vocês e vamos articular as pessoas que têm carro para ajeitarmos carona para todos!

Aguardem próxima mensagem!

um super abraço para todos,
Drica.

VEJAM ABAIXO UMA PEQUENA MOSTRA DO PRIMEIRO ENCONTRO:

domingo, outubro 28, 2007

JAM CONTATO IMPROVISAÇÃO - video-registro - 27 /10/2007

Vejam abaixo o vídeo-registro da Jam Session de Contato Improvisação, com a coordenação de Hugo Leonardo, realizado na Escola de Dança da FUNCEB, em Salvador, no dia 27 de outubro de 2007.
Foi uma linda tarde, com muitos dançarinos participantes, e até dancei pouquinho colocando em prática um pouquinho das aulas de contato que fazemos com Hugo aos sábados!
Tivemos a participação de Giancarlo, fazendo o som da Jam neste sábado.
vejam!!!

sexta-feira, outubro 26, 2007

Fernando Pessoa



















De tudo, ficaram três coisas:
A certeza de que estamos sempre começando.
A certeza de que é preciso continuar ...
A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar ...

Portanto, devemos:
Fazer da interrupção um caminho novo.
Da queda um passo de dança ...
Do medo, uma escada ...
Do sonho, uma ponte.
Da procura, um encontro .

quinta-feira, outubro 25, 2007

JAM CONTATO IMPROVISAÇÃO NO IBIRAPUERA

Olá dançantes,
vejam abaixo o vídeo-registro da Jam Session de Contato Improvisação realizada no Parque do Ibirapuera em São Paulo, dia 21 de outubro de 2007.
Gostaria de agradecer a Ricardo Neves, professor de Contato e coordenador desta JAM, e a todos os participantes dançarinos por ter autorizado a filmar e exibir as imagens aqui no blog sotão73.

Foi muito bom estar neste domingo com vocês!

Um grande abraço a todos,
Drica.


quarta-feira, outubro 24, 2007

JAM CONTATO IMPROVISAÇÃO - 27 DE OUTUBRO 2007















Sábado próximo é o último sábado do mês... isso lembra alguma coisa???
Sim!!! É dia de Jam Session de Contato Improvisação, já fazem 4 anos na Bahia!
Mas se o Theatro XVIII fechou, onde está acontecendo esta tarde de experiência em dança sem coreografia, pesquisa da dinâmica de pesos partilhados, do diálogo do contato físico, dos fluxos e impulsos que animam o corpo/consciência em contexto poético?
Pois bem, nossas JAMs estão passando por um período cigano.
Neste sábado (dia 27) ocorrerá na Escola de Dança da FUNCEB, que está localizada no Terreiro de Jesus no Pelourinho, mais precisamente no comecinho da rua do Oração (à direita de quem deixa o Terreiro de Jesus para chegar no Cruzeiro de São Francisco).
O horário de sempre, das 15 às 18hs, gratuito como sempre, e que venham em roupas leves e disposição para o risco criativo... como sempre!
Até!

P.S. - o blog do Projeto EmComTato é o http://emcomtato.blogspot.com


Hugo Leonardo
http://historiasedancas.blogspot.com

terça-feira, outubro 23, 2007

O CHORO DO DESMAME - APOIO À NOVA POLÍTICA CULTURAL BAIANA IMPLANTADA PELO SECRETÁRIO MARCIO MEIRELES

O CHORO DO DESMAME
Como é doloroso o desmame. Deixar de lado as deliciosas e suculentas
tetas públicas.

Esse choro que ouvimos nas rádios, jornais e TV's, emitido
por "produtores culturais" mimados, é o choro de quem estava sentado
nos recursos destinados a cultura há anos e não pretendia sair dali.

As mudanças e melhorias na política cultural do estado são nítidas, só não vê quem não quer!

Hoje existe dialogo entre o Governo e os artistas da cidade.
Reuniões, encontros, editais tudo pensado em conjunto, em parceria, ouvindo todos os lados.

No passado, era uma epopéia para se conseguir um encontro com o ex-
secretário da cultura, Paulo Gaudenzi, que para mim era uma entidade
midiática, só vista através de fotos e filmagens.

Lembro das diversas vezes que a ABCV marcou pauta de reunião com o ex-secretário e nada!

Lembro também dos inúmeros escândalos com o dinheiro destinado a
cultura, da pratica do caixa dois, lembro da censura ao vídeo "O fim do homem cordial", lembro de um Fundo de Cultura macabro, obscuro, onde só os apadrinhados se beneficiavam, lembro das ONG's de fachada, lembro de uma TVE "privada", da Propeg, da Bahiatursa, lembro de uma aberração chamada Secretaria de Turismo e Cultura, lembro dos salões mafiados do MAM, lembro de uma sensação de descrença, de falta de perspectiva, da necessidade de êxodo, que rondava a cabeça dos artistas locais. Eu me lembro!

Declaro meu total apoio à nova política cultural implantada pelo
secretário Marcio Meireles.

E quem também estiver de apoio que se manifeste, pois quem está
contra, os desmamados, não param de espernear.

Daniel Lisboa
Artista Baiano

quarta-feira, outubro 17, 2007

O jardim das delícias - Bosh - Pesquisa 01






















Sua obra insólita, original e brilhante retrata a vulnerabilidade do homem diante das tentações – idéia dominante na Idade Média. O pintor é apreciado por seus contemporâneos e exerce, séculos depois, influência sobre os surrealistas...
O artista flamengo pinta a sua obra prima O Jardim das Delícias ou Jardim de Encanto (The Garden of Delights) entre 1500 a 1510, provavelmente 1504 - considerado seu trabalho mais maduro, o qual descreve a criação da mulher.
Em uma visão geral, a obra reflete uma Idade Média filtrada por um humor perspicaz e expõe os vícios da sociedade que rodeia o artista.
Trata-se de um tríptico, óleo sobre painel, sendo que o grande retábulo central mede 2,20 x 1,95cm e os laterais medem 2,20 x 97cm. Museu do Prado, Madri – Espanha.
Os retábulos laterais narram: O Inferno (direita) e o Jardim do Éden (esquerda).
Neste, chamado também de A criação do Paraíso, supõe-se que os animais híbridos e as rochas se relacionam com a Índia mítica descrita por Eusébio e, os animais exóticos figurados, como a girafa e o elefante, têm como fonte xilogravuras do livro de Breydenbach...
A concepção pessimista de um mundo dominado pela idéia do pecado e da fragilidade da natureza humana, típica do pensamento medieval, encontrou expressão plástica na pintura de Hieronimus Van Aeken Bosch.
Firmemente aparentada, pela simbologia, com a fantasia popular e a cultura da época, sua insólita obra, cáustica e imaginativa, prenunciou as grandes realizações da pintura flamenga e holandesa dos séculos XVI e XVII.

texto retirado do site: http://www.sergiosakall.com.br/artistas/personalidade_bosch.html#

O JARDIM DAS DELÍCIAS - Experiência - Vivência Performance Lama - Dança Contato Improvisação




ENSAIO DA PERFORMANCE DE DANÇA CONTATO IMPROVISAÇÃO COM A UTILIZAÇÃO DE ARGILA,INSPIRADA NO FAMOSO QUADRO DE BOSH, O JARDIM DAS DELÍCIAS.
Neste final de semana (14/10/2007) tivemos a primeira experiência de muitas que ainda iremos realizar em Dança Contato Improvisação com Argila. Foi uma rica experiência, vivência e performance, que aconteceu nas dunas em Stela Mares em Salvador, um lindo cenário, uma maravilhosa experiência!

Vamos fazer mais...e ainda mais bonito, vamos esperar Hugo!

Abraços de lama,
Drica.

Imagens das Jam sessions de Setembro de 2007 - Dança Contato Improvisação














Em setembro tivemos duas JAM SESSIONS de Dança Conato Improvisação maravilhosas, dia 22/09/07 na Casa das Artes em Todas as Partes,com o som de Mathias Grob e músicos itinerantes, no maravilhoso espaço de Marquinhos e dia 29/09 na Escola de Dança da UFBA ao som acústico do piano com Roque, do som do roque, e do violão com Mathias Grob.
Fizemos ótimos registros deste dia, que em breve estarei disponibilizando no blog.

Imagens para vídeo - Contato Improvisação




No último sábado de agosto de 2007, tivemos uma JAM SESSION, num espaço que propiciou mostrar ainda mais o lado artístico e performático dos praticantes de Contato Improvisação em Salvador, tivemos uma estrutura maravilhosa, no Teatro Gregório de Matos, com iluminação e som. Mais as experiências imagéticas com projeções, filmagem e fotos! Que resultou num vídeo de 5 minutos que estou produzindo para inscrever em festivais de vídeo-dança, vídeo-arte e exposições de arte em geral.

segunda-feira, outubro 08, 2007

MAM recebe 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica Sesc-Videobrasil - Em Salvador

MAM recebe 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica Sesc-Videobrasil
Data: 05/10/2007
Fonte: Ipac - ascom@ipac.ba.gov.br

De 9 a 18 de outubro, o maior festival de arte eletrônica da América Latina traz a Salvador os artistas Marcel Odenbach, Kenneth Anger e Bouchra Khalili, filmes inéditos de Peter Greenaway, uma grande retrospectiva de videoarte e o melhor da produção recente do circuito sul

A partir de 9 de outubro até o dia 18 do mesmo mês, o Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), vinculado ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), da Secretaria de Cultura da Bahia, recebe a intensa programação do 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica SESC-Videobrasil. O evento começou último dia 30 em sob realização do SESC São Paulo com curadoria de Solange Farkas, diretora do MAM-BA.

Toda a programação está no site www.videobrasil.org.br/16. Outras informações podem ser fornecidas também na sede do MAM, através do Núcleo de Projeto do MAM, Tel. (71) 3117-6065, de segunda à sexta-feira sempre das 9 às 18 horas.

O maior festival de arte eletrônica da América Latina enfoca as aproximações entre cinema, vídeo e arte, e traz a Salvador obras de sua mostra competitiva Panoramas do Sul; convidados, como o artista alemão Marcel Odenbach, pioneiro da arte em vídeo, e Kenneth Anger, um dos inventores do cinema underground americano; e três longas inéditos do cineasta britânico Peter Greenaway, além de conteúdos exclusivos para Salvador.

Com uma performance inédita, Lavagem da Capela do MAM, o artista baiano Marcondes Dourado abre o 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica SESC_Videobrasil na Bahia, dia 9 de outubro, às 21h. A programação, que se estende do MAM à sala Walter da Silveira, tem outros conteúdos exclusivos, como uma mostra de 59 obras que mapeia quarenta anos de videoarte na Alemanha, realizada em parceria com o Instituto Goethe da Bahia. A artista Bouchra Khalili, diretora da Cinemateca de Tânger, apresenta obras dos curtas-metragistas do Marrocos. No eixo Zona de Reflexão, artistas como Eder Santos e Claudia Andujar debatem a imagem contemporânea, o curador holandês Tom van Vliet apresenta um sistema de projeção imersiva, e workshops apresentam técnicas de manipulação de imagem ao vivo.

“O movimento de expansão do Festival não obedece só ao desejo de ampliar o público que tem acesso ao seu conteúdo, mas também de estimular a produção artística do Nordeste, atualizando nossas visões da arte contemporânea”, diz Solange Farkas. O Festival amplia a parceria com o Grupo Sala de Arte, que apóia todas as mostras do evento. A partir de agora, a Sala de Arte do MAM passa a ter uma faixa programada pelo Museu.

PANORAMAS DO SUL

A mostra competitiva do 16º Videobrasil reúne obras produzidas nos últimos dois anos por artistas da América Latina, África, Leste Europeu, Oriente Médio, Ásia e Oceania – regiões que compõem o sul geopolítico do mundo, foco de pesquisa do Videobrasil desde a década de 1990. A mostra se subdivide em três eixos: Estado da Arte, dedicado à produção de artistas consagrados; Investigações Contemporâneas, que contempla os processos de pesquisa; e Novos Vetores, com trabalhos de artistas de até trinta anos de idade. Salvador verá todas as obras em vídeo que participam da competição em São Paulo.

A seleção de 2007 partiu de 791 inscritos, e inclui obras dos brasileiros Eustáquio Neves, Lucas Bambozzi, Wagner Morales, Eduardo Climachauska, Marco Del Fiol, Maurício Dias (Brasil) e Walter Riedweg (Suíça), Cao Guimarães, Caetano Dias, Louise Ganz, Giselle Beiguelman, e Gustavo Rosa de Moura e Nuno Ramos, dos argentinos León Ferrari, Andrés Denegri, Gustavo Galuppo, Marcello Mercado e Federico Lamas, do libanês Akram Zaatari e da marroquina Bouchra Khalili.

Além de mapear a diversidade da produção eletrônica recente, a mostra Panoramas do Sul aponta tendências marcantes, inclusive aquela que se alinha ao eixo curatorial do Festival. “A seleção inclui diversas propostas que usam o cinema como matéria-prima, remixando e recontextualizando seqüências, cenas e diálogos”, diz Farkas.

Programa 1: 10.10, às 20h | Sala de Arte - MAM
Programa 2: 11.10, às 20h | Sala de Arte - MAM
Programa 3: 12.10, às 21h | Sala de Arte - MAM
Programa 4: 13.10, às 20h | Sala de Arte - MAM
Programa 5: 14.10, às 20h | Sala de Arte - MAM



CINEMA+VÍDEO+ARTE

40 ANOS DE VIDEOARTE NA ALEMANHA
Com 59 obras, o programa 40 Anos de Videoarte na Alemanha recompõe quatro décadas de arte eletrônica na Europa, a partir de meados dos anos 1960, quando o uso experimental do filme, da televisão e do vídeo começava a abrir um novo campo de trabalho para os artistas conceituais. O programa reúne obras de Peter Roehr, Marina Abramovic e Ulay, Josef Beuys, Rebecca Horn e do coreano Nam June Paik, pai da videoarte, que desenvolveu boa parte de seu trabalho na Alemanha. 40

Anos de Videoarte na Alemanha é uma apresentação do Instituto Goethe da Bahia.
Programa 1: 13.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 2: 14.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 3: 14.10 às 17h | Sala de Arte - MAM
Programa 4: 15.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 5: 15.10 às 18h | Sala de Arte - MAM
Programa 6: 16.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 7: 16.10 às 18h | Sala de Arte - MAM
Programa 8: 17.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 9: 17.10 às 18h | Sala de Arte - MAM
Programa 10: 18.10 às 15h | Sala de Arte - MAM
Programa 11: 18.10 às 18h | Sala de Arte - MAM
Programa 12: 18.10 às 20h30 | Sala de Arte - MAM

BOUCHRA KHALILI
Nascida em Casablanca, a artista leciona estética e história do cinema em Paris e é co-programadora da Cinemateca de Tânger (Marrocos), que foi aberta em 2006 com a missão de iluminar a cultura cinematográfica do país e tornar-se ponto de intercâmbio internacional e centro de formação em cinema. O 16º Videobrasil faz uma retrospectiva de sua obra, que é marcada pelas idéias de trânsito e deslocamento e já foi tema da publicação on-line FF>>Dossier (www.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/site/dossier026), do Videobrasil. Bouchra Khalili, que estará em Salvador, também traz ao Festival uma curadoria com obras realizadas por jovens cineastas e artistas marroquinos. Pertencentes à Cinemateca de Tânger, os filmes exploram sonhos de emigração, separação e retorno. A artista fala ao público sobre a produção dos artistas emergentes no Marrocos e da sua trajetória artística e curatorial.
Mostra Bouchra Khalili: 11.10, às 18h; 15.10, às 20h45 | Sala de Arte - MAM
Fala Bouchra Khalili: 11.10, às 19h30 | Auditório do MAM
Mostra Cinemateca de Tânger: 12.10, às 18h; 16.10, às 20h30 | Sala de Arte - MAM

KENNETH ANGER
Um dos inventores do cinema experimental americano, Kenneth Anger faz, aos vinte anos, o curta Fireworks, um pesadelo poético e sexual que chama a atenção de Jean Cocteau e da vanguarda européia. Nas décadas seguintes, suas experiências em película, povoadas por fetiches gay, referências ao ocultismo e rock-’n’-roll, lançam sementes em muitas direções. Pioneiro no uso de imagens editadas a partir da música pop, seus cortes são tidos como o fundamento do videoclipe. O Videobrasil traz a Salvador uma retrospectiva inédita no país da obra de Anger, com nove curtas realizados de 1947 a 1972, quatro deles em versões recuperadas em 35 mm.
Programa 1: 9.10, às 19h | Sala de Arte - MAM
Programa 2: 10.10, às 18h | Sala de Arte - MAM

MARCEL ODENBACH
Desde os anos 1970, o artista alemão Marcel Odenbach vem usando a imagem eletrônica para construir uma obra consistentemente comprometida com a idéia de iluminar questões políticas e sociais. Pioneiro da arte em vídeo, utiliza-se de excertos de filmes clássicos e de cinejornais – dos quais emergem imagens perturbadoras da realidade – para tratar da forma como as visões do passado moldam a percepção do presente. Seus vídeos e instalações já foram mostrados no MoMA de Nova York e nas Documentas 6 e 8 de Kassel. O 16º Videobrasil exibe em loop, durante todo o Festival, na Capela, dois programas de vídeos de Odenbach, produzidos entre 1978 e 2005.
De 9 a 18.10, de terça a domingo, das 13h às 19h, sábado, das 13h às 21h | Capela

MARCONDES DOURADO
Sincretismo religioso, cultura de massa, globalização, tradição, indústria, turismo e a crise da baianidade são os temas que o artista baiano toca com a performance Lavagem da Capela do MAM, que abre o Festival, dia 9.10, às 21h. Conhecido performer e autor de vídeos, o artista mixa, neste trabalho, elementos da tradição baiana, como a lavagem das escadarias da Igreja do Bonfim, signos católicos e afro-brasileiros para representar de maneira onírica, irônica e caótica a condição humana no mundo globalizado.
Performance Lavagem da Capela do MAM: 9.10 às 21h | Capela

PETER GREENAWAY
O desejo de romper com os limites físicos da tela-quadro e da narrativa literária – por meio de um uso mais inventivo das tecnologias da imagem – move o artista britânico Peter Greenaway em direção ao que considera o cinema do futuro. Conhecido pelos filmes que produziu nos anos 1990, como O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante, Greenaway alimenta há dez anos o projeto de cinema expandido Tulse Luper Suitcases, cujas tramas se espalham por filmes, performances, obras instalativas e sites. O projeto é construído em torno do personagem Tulse Luper, escritor que viveu entre prisões e desapareceu em 1989, deixando seu testemunho em 92 maletas. O 16º Videobrasil traz a Salvador os três longas-metragens da série Tulse Luper Suitcases.
Tulse Luper Suitcases 1: 13.10 às 21h | Sala Walter da Silveira
Tulse Luper Suitcases 2: 14.10 às 18h | Sala Walter da Silveira
Tulse Luper Suitcases 3: 14.10 às 20h | Sala Walter da Silveira

ZONA DE REFLEXÃO

Programações voltadas para o debate e o intercâmbio entre artistas convidados, curadores, pesquisadores e público compõem o terceiro eixo do 16º Videobrasil em Salvador. Os Seminários Videobrasil reúnem os artistas que participam do Festival e acadêmicos para debater questões relativas à imagem e à narrativa na contemporaneidade. O curador holandês Tom van Vliet fala de seu Panorama 360º, que oferece a artistas convidados a possibilidade de trabalhar com um ambiente imersivo de projeções múltiplas. A programação inclui o lançamento da terceira edição da publicação anual Caderno SESC_Videobrasil, com ensaios de autores como Lisette Lagnado, Carlos Adriano, Peter Greenaway e Kenneth Anger sobre experimentalismo na arte; e uma série de workshops, que oferecem exercícios práticos nos campos da manipulação ao vivo de imagens, da pesquisa e produção de som e da estética do vídeo.

SEMINÁRIOS VIDEOBRASIL

IMAGEM E ALTERIDADE
Mediador: Rodrigo Novaes
Palestrantes: Kenneth Anger, Marcel Odenbach e Ayrson Heráclito
9.10, das 16h às 18h | Auditório do MAM

HIBRIDIZAÇÕES NA IMAGEM CONTEMPORÂNEA
Mediador: Alejandra Munhoz
Palestrantes: Claudia Andujar, Caetano Dias e Eduardo Brandão
10.10, das 16h às 18h | Auditório do MAM

NARRATIVAS MÚLTIPLAS
Mediador: Priscila Lolata
Palestrantes: Eder Santos, Tom van Vliet e Danillo Barata
11.10, das 16h às 18h | Auditório do MAM

PALESTRA

TOM VAN VLIET – PANORAMA 360º
Especializado em arte e mídia, e criador do World Wide Video Festival, importante festival de vídeo e arte eletrônica europeu, o curador holandês Tom van Vliet fala do Panorama 360º, que usa dez projetores para obter um ambiente imersivo com 360º de imagem em movimento sincrônico. Artistas são convidados a trabalhar no Panorama 360º, que foi desenvolvido em parceira com arquitetos e técnicos.
12.10, das 16 às 18h | Auditório do MAM

LANÇAMENTO

CADERNO SESC_VIDEOBRASIL
Na terceira edição do Caderno SESC_Videobrasil, o tema curatorial do 16º Festival Internacional de Arte Eletrônica SESC_Videobrasil reverbera em ensaios que analisam o papel do experimentalismo na produção audiovisual contemporânea. O cineasta Carlos Adriano propõe um método poético-histórico para a apreciação do audiovisual experimental no Brasil. Lisette Lagnado, curadora da 27ª Bienal de São Paulo, busca ecos da Cosmococa de Hélio Oiticica na produção atual. Jean-Paul Fargier descreve a televisão como acelerador de partículas e narrativas. Peter Greenaway saúda o cinema que sucede a morte do cinema. Limite, de Mario Peixoto, é o tema do ensaio de Jorge La Ferla; Esther Hamburger fala do road movie sem história de Cao Guimarães.
9.10, às 21h | Galeria 1 MAM

WORKSHOPS

VJ - VÍDEO AO VIVO
LUCIANO CRAZY MONKEY
O objetivo é fazer uma introdução teórica e prática ao trabalho do VJ. Serão desenvolvidos conceitos teóricos como “loop”, “sample” e ambiente imersivo. Os alunos serão provocados a produzir seus próprios “loops” e experimentar a manipulação ao vivo com softwares especializados. A partir do registro das experiências, serão estudadas possíveis estratégias de manipulação de imagens e construção de discursos ao vivo.
19, 20 e 21.10, das 9h às 13h | Auditório do MAM

SOM PEBA
PEDRO MARIGHELLA
O curso de pesquisa e discotecagem SOM PEBA pretende sensibilizar a pesquisa, produção e difusão da música através do domínio da tecnologia e dos aspectos criativos que implicam a produção da música eletrônica na contemporaneidade.
26, 27 e 28.10, das 9h às 13h | Auditório do MAM

ESTÉTICA DO VÍDEO
DANILLO BARATA
O curso explora novas articulações entre arte e tecnologia, sobretudo as relações entre as criações artísticas contemporâneas no vídeo, em suas múltiplas facetas. Compreensão da linguagem tecnológica e aquisição de conhecimentos para a plena satisfação no fazer artístico.
15, 22 e 29.10, das 9h às 13h | Auditório do MAM

VIDEOBRASIL NA BAHIA TERÁ COBERTURA ESPECIAL DA TVE

Na TVE Bahia, canal 2, uma intensa programação sobre o Videobrasil antecede e acompanha o Festival. Na primeira etapa, que vai do dia 6 ao dia 13.10, a Mostra Videobrasil exibe, na faixa das 0h10, os três programas da Itinerância Videobrasil 2006-2007, que reúnem obras premiadas e destaques do 15º Festival (2005), e os cinco documentários da série Videobrasil Coleção de Autores, que enfocam artistas como o libanês Akram Zaatari e a americana de origem cubana Coco Fusco. Os documentários da série VCA e os programas itinerantes são produções da Associação Cultural Videobrasil.
De 30.9 a 9.10, no Momento Videobrasil, o canal 2 exibe quinze programetes históricos de sessenta a noventa segundos cada, que recompõem mais de vinte anos do Videobrasil, e dez programas de cobertura do 16º Festival no MAM, com apresentação de Marcos Pierry (TVE Bahia) e produção DIMAS. O Festival também será assunto dos jornalísticos da TVE: TVE cidadania, TVE revista, TVE notícias, Soteropolis e Sextas baianas.
Durante todo o Festival, serão gravadas entrevistas com artistas e curadores convidados em estúdios externos e internos montados no MAM. Esse material serve de base à realização, após o evento, do especial DOC Videobrasil - MAM / TVE.

Mostra Videobrasil
6.10, às 0h10: Itinerância Videobrasil 2006-2007 – Programa 1
7.10, às 0h10: Itinerância Videobrasil 2006-2007 – Programa 2
8.10, às 0h10: Itinerância Videobrasil 2006-2007 – Programa 3
9.10, às 0h10: Videobrasil Coleção de Autores – Certas dúvidas de William Kentridge
10.10, às 0h10: Videobrasil Coleção de Autores – Rafael França: obra como testamento
11.10, às 0h10: Videobrasil Coleção de Autores – Mau Wal: encontros traduzidos
12.10, às 0h10: Videobrasil Coleção de Autores - Um olhar sobre os olhares de Akram Zaatari
13.10, às 0h10: Videobrasil Coleção de Autores - Coco Fusco: I Like Girls in Uniform

Momento Videobrasil
De 30.09 a 09.10: programetes históricos e cobertura do Festival

16º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTE ELETRÔNICA SESC_VIDEOBRASIL
LIMITE: MOVIMENTAÇÃO DE IMAGEM E MUITA ESTRANHEZA

De 9 a 18.10
Museu de Arte Moderna da Bahia
Av. Contorno, s/nº, tel. (71) 3117 6130, Salvador - BA

Horários
Salas expositivas: de terça a domingo, das 13h às 19h; sábado das 13h às 21h.
Sala Walter da Silveira
Rua General Labatut, nº 27, Barris

Mais informações sobre conteúdo: www.videobrasil.org.br/16

quinta-feira, outubro 04, 2007

JAM CONTATO IMPROVISAÇÃO - Video registro da Festa da Brisa Primaveril.

Foi um lindo encontro de comemoração dos 4 anos da JAM do projeto EMCOMTATO em Salvador.
http://emcomtato.blogspot.com

Veja abaixo o vídeo registro:


Suaventando
Ivan Maia

O que é suave como o vento
e voa no sopro de cada momento
dificilmente se cansa
quando se lança
em movimento
Leve como pássaro no ar
levando consigo
apenas
a leveza de poder voar.


UM POUCO MAIS DE FESTA COM O SOM DO ROQUE:

quinta-feira, setembro 27, 2007

segunda-feira, setembro 17, 2007

FESTA DA BRISA PRIMAVERIL - 22 de setembro - Comemoração Da Primavera e Dos 4 anos da JAM Dança contato-improvisação


FESTA DA BRISA PRIMAVERIL

Olá!!!
Vai rolar uma comemoração muito legal neste sábado, 22/09, e todos estão convidados a participar!
Será a comemoração do início da primavera e dos 4 anos da JAM de música – dança- contato improvisação que acontecia no teatro XVIII, e que vai acontecer num sítio muito astral na estrada do cia.
(ver mapa em anexo)

À partir das 15:00h vai rolar a JAM música dança contato improvisação, com os mestres de cerimônia IVAN MAIA E SILVIO ROSÁRIO e a participação livre de todos que quiserem dançar! Improvisação musical com MATHIAS GROB e mais músicos convidados, inclusive você pode tocar!
Leve seu corpo por inteiro para dançar e instrumentos para tocar! E convide os amigos!

Depois da JAM vai rolar um jantar coletivo e colaborativo, onde cada participante levará um prato de comida e bebidas, pratos, talheres e copos, para compartilharmos o jantar com todos os presentes!

A partir das 21h mais dança e som, com uma festa ao som do DJ SOM DO ROQUE e o Dj RICARDO FRAGA(que estará se despedindo para passar uma temporada em Portugal), com projeção de imagens de SOTÃO73 (Drica Rocha), mais imagens de RICO OLIVEIRA e outros artistas que forem chegando!
Importante, o encontro não é pago, mas para acontecer é preciso que todos participem levando bebidas e comidinhas para depois da Jam e para a festa bebidas e comidinhas também, mais uma colaboração em dinheiro para cobrir os custos da jam/festa. Se quiserem esticar mais a hora, pode levar colchonetes e barracas para dormir, e repelentes também pois há bastante espaço dentro e fora da casa. Levem copos, pratos e talheres!
Estamos esperando por todos vocês, vai ser uma comemoração muito astral e deliciosa!
Ajeite uma carona, entre em contato conosco se tiver alguma dúvida e quiser uma carona!
Dóris: donandes2005@yahoo.com.br
Eline: elineupe@yahoo.com.br
Ivan: corpoema@gmail.com
Silvio: silvio32rosario@hotmail.com
Edileuza: edleuza_oliveira@yahoo.com.br
drica: sotao73@yahoo.com.br
roque: somdoroque@gmail.com
daniel:
dpa_purcell@yahoo.com.br
teca: teca-costa@hotmail.com
diane: ane_portella@yahoo.com.br


Veja o Mapa abaixo!

O que: Jam de Setembro/2007

Festa da Brisa Primaveril

Quando: 22 de setembro de 2007

Onde: Morro da Associação Arte em Todas as Partes,
Sítio em São Cristóvão , casa de marquinhos.

Como chegar: melhor ir de carro, pegar carona com os dançantes
Horário: JAM : 15:00 às 18:00h
Jantar: 19:00
Festa: 21h
O que trazer:

Alegria e disposição para dançar e comemorar;

Para o jantar
: Um prato comida e bebidas;
Para a festa: Bebidas que preferir e comidinhas!
Barraca, repelente, colchonete para quem quiser dormir!
Colaboração para os custos da JAM e da Festa.

































quinta-feira, setembro 13, 2007

CONTATO IMPROVISAÇÃO - RETIRO PARA ESTUDOS AVANÇADOS

Objetivos e Programa

Objetivos Específicos

I. Esboçar uma metodologia para o ensino e pesquisa do CI, através de uma estratégia de princípios e elementos constitutivos da técnica.
II. Criar um espaço de reflexão vivencial sobre as implicações psico-socio-culturais na prática do CI.
III. Criar um espaço de investigação para estratégias performativas para o CI.
IV. Capacitar multiplicadores.


Teremos 6 turnos de atividades, cujas aulas teórico-práticas serão direcionadas aos objetivos específicos delineados anteriormente:

· (Sexta, noite) Corpo como zona de inscrições hierárquicas versus corpo como zona de inscrições anárquicas. (objetivo específico II)
· (Sábado, manhã) Princípios e elementos, construção de uma metodologia em 13 movimentos. (objetivo específico I e IV)
· (Sábado, tarde) Princípios e elementos, construção de uma metodologia em 13 movimentos. (objetivo específico I e IV)
· (Sábado, noite) Jam Session para Musicantes e Dançantes. (objetivo específico III)
· (Domingo, manhã) O Contato Improvisação e o Conjunto de Técnicas Somáticas. (objetivo específico I e IV)
· (Domingo, tarde) Processos Criativos - estratégias performativas para o CI. Apresentações. (objetivo específico III)

VER PROGRAMAÇÃO COMPLETA E LOCAL:
http://emcomtatoretiro.blogspot.com

terça-feira, setembro 11, 2007

FESTA DA BRISA PRIMAVERIL - Contato Improvisação Salvador -Ba















http://groups.msn.com/artetodaparte

Festa da Brisa Primaveril
Contato improvisação 4 anos
Jam/ Setembro de 2007


Venha inteiro
Chegue presente
Traga alegria, disposição, disponibilidade...
Panos para voar
Planos para doar
Roupas para colorir
Pratos e bebidas para jantar
e mais bebidas para depois festejar

Se arrume e se aprume
Ajeite uma carona...

À partir das 15:00 JAM.
Depois da JAM, jantar coletivo.

À partir das 21h mais festa:

Ao som do DJ SOM DO ROQUE e o Dj
DJ RICARDO FRAGA

Projeção de imagens de SOTÃO73 (Drica Rocha)

Decoração do Ambiente TECA COSTA, ANE, ELINE e mais...

Poesias de IVAN MAIA

Performances dançantes e circences

Mais a especial participação de todos nós dançantes para comemorar a JAM e a PRIMAVERA!

O que: Jam de Setembro/2007
Festa da Brisa Primaveril

Quando: 22 de setembro de 2007

Onde: Morro da Associação Arte em Todas as Partes, Sítio em São Cristóvão

Como chegar: melhor ir de carro, pegar carona com os dançantes
(ver mapa e explicação no site:
http://groups.msn.com/artetodaparte)

Horário:
JAM : 15:00 às 18:00h
Jantar: 19:00
Festa: 21h

O que trazer:
Alegria e disposição para dançar e comemorar;
Comida e bebida para o jantar depois da JAM;

Bebidas que preferir e comidinhas para a festa;
Barraca, colchonete para quem quiser dormir!
Colaboração para os custos da JAM e da Festa.

Poema suaventando
Ivan Maia

O que é suave como o vento
e voa no sopro de cada momento
dificilmente se cansa
quando se lança
em movimento
Leve como pássaro no ar
levando consigo
apenas
a leveza de poder voar.

quarta-feira, setembro 05, 2007

FESTA DA BRISA PRIMAVERIL

AGUARDEM A FESTA DA BRISA PRIMAVERIL , dia 22/09/07
Comemoração dos 4 anos da Jam do Projeto EmComTato: música-dança-contato-improvisação.

quarta-feira, agosto 29, 2007

PLEBISCITO POPULAR - A VALE É NOSSA - LEIA, ASSISTA AOS VÍDEOS, ENTENDA, COMENTE, POSTE NOS SEUS BLOGS


















COMO UMA EMPRESA QUE TINHA UM PATRIMÔNIO DE 92 BILHÕES PÔDE SER VENDIDA POR 3 BILHÕES... ISSO NÃO É VENDA, ISSO É DOAÇÃO...
POIS FOI O QUE O GOVERNO DO EX PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO FEZ COM A EMPRESA PÚBLICA VALE DO RIO DOCE...

Para mais informações sobre o plebiscito da Vale, entre na comunidade "Plebiscito Popular da Vale" no orkut. Lá tem as orientações, cartilhas, endereços, etc:

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=37338388

entre no site "a vale é nossa":

http://avaleenossa.org.br/


assista aos vídeos (no youtube - estão aqui no blog no post abaixo deste) para entender os roubos bilionários que aconteceram no governo de FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (FHC), e participar da campanha pela reestatização da VALE DO RIO DOCE, que é do povo brasileiro...

e quando assistir ao jornal nacional na rede globo se pergunte porque eles (a grande mídia) não comentam isso?

PLEBISCITO POPULAR - A VALE É NOSSA - ASSISTA AO VÍDEO E PARTICIPE DA CAMPANHA

ASSISTA AO VÍDEO

A VALE É NOSSA - PARTE 1 DE 3



A VALE É NOSSA - PARTE 2 DE 3



A VALE É NOSSA - PARTE 3 DE 3



Para mais informações sobre o plebiscito da Vale, procurar a comunidade "Plebiscito Popular da Vale" no orkut. Lá tem as orientações, cartilhas, endereços, etc.

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=37338388

entre no site

http://avaleenossa.org.br/

sábado, agosto 25, 2007

What is contact Improvisation? O que é Contato Improvisação?

video: drica rocha ------- Sotão73


A forma de dança Contact Improvisation foi fundada por Steve Parxton no início da décaA forma de dança Contact Improvisation foi fundada por Steve Parxton no início da década de 70. Juntamente com os dançarinos que assistiam a aula de Robert Ellis Dunn, Parxton formou um grupo de improvisação chamado Grand Union. Este grupo desenvolveu um trabalho onde se colidia, caia, arremessava, pegava, lançava continiuamente por dez minutos. essa performance, foi o marco inicial do CI, foi chamada Magnesium.
No mesmo ano um grupo(Laura Chapmen, Steve Crhistiansen, Barbara Dilley, Leon Felder, Mary Fulkerson, Danny Lepkoff, Nita Little, Alice Lusterman, Curt Siddall, Nancy Stark Smith, Nancy Topf, David Woodberry, Emily Seige, Tim Butler, Mark Peterson,, Tom Hast) se reuniu por duas semanas na Weber Gallery de Nova york para trabalhar os conceitos de comunicação corporal levantados no Magnesium. A prática que se chamou de Contact Improvisation envolvia gravidade, inércia, quantidade de movimento, a força de um corpo se lançando sobre o outro pra ver o que acontecia. Na segunda semana as pessoas foram convidadas para assistir as seções, e daí surgiu o título da turnê de 73 na Califórnia: " você vem e nós mostramos o que fazemos". O trabalho do grupo está documentado em um vídeo chamado "Chute". Alguns anos depois o grupo retomou o trabalho com o nome de ReUnion.
Vários outros grupos forma aparecendo em todo o mundo, e para facilitar a comunicação surgiu o periódico especializado Contact Quartely, do qual Nancy Stark Smith era co-editora. Há também um outro vídeo: "Fall After Newton", que mostra os trabalhos entre 72 e 83. O desenvolvimento dessa técnica, a partir daí, foi-se dando com base em seu próprio princípio, a improvisação, o que não significa desorganização. Sendo o CI baseado na intuição e relaxamento, a sistematização do seu ensino seguiu as idéias reveladas a medida em que as seções iam acontecendo. Os pontos reforçados com o acúmulo de experiências foram aprender a dar o peso, testar a gravidade, a desorientação e criar segurança para um solo ou uma dupla sabendo cair, rolar e relaxar. Por isso se diz que é difícil definir o ensino e aprendizado do Contact, assim como ele próprio.Embora o facilitador aprenda os princípios básicos pra passar ao seu grupo, a forma de dançar vai surgir da experiência de cada dançarino, a partir da reação entre o que ele experimenta na seção e o seu próprio corpo e mente.
da de 70. Juntamente com os dançarinos que assistiam a aula de Robert Ellis Dunn, Parxton formou um grupo de improvisação chamado Grand Union. Este grupo desenvolveu um trabalho onde se colidia, caia, arremessava, pegava, lançava continiuamente por dez minutos. essa performance, foi o marco inicial do CI, foi chamada Magnesium.
No mesmo ano um grupo(Laura Chapmen, Steve Crhistiansen, Barbara Dilley, Leon Felder, Mary Fulkerson, Danny Lepkoff, Nita Little, Alice Lusterman, Curt Siddall, Nancy Stark Smith, Nancy Topf, David Woodberry, Emily Seige, Tim Butler, Mark Peterson,, Tom Hast) se reuniu por duas semanas na Weber Gallery de Nova york para trabalhar os conceitos de comunicação corporal levantados no Magnesium. A prática que se chamou de Contact Improvisation envolvia gravidade, inércia, quantidade de movimento, a força de um corpo se lançando sobre o outro pra ver o que acontecia. Na segunda semana as pessoas foram convidadas para assistir as seções, e daí surgiu o título da turnê de 73 na Califórnia: " você vem e nós mostramos o que fazemos". O trabalho do grupo está documentado em um vídeo chamado "Chute". Alguns anos depois o grupo retomou o trabalho com o nome de ReUnion.
Vários outros grupos forma aparecendo em todo o mundo, e para facilitar a comunicação surgiu o periódico especializado Contact Quartely, do qual Nancy Stark Smith era co-editora. Há também um outro vídeo: "Fall After Newton", que mostra os trabalhos entre 72 e 83. O desenvolvimento dessa técnica, a partir daí, foi-se dando com base em seu próprio princípio, a improvisação, o que não significa desorganização. Sendo o CI baseado na intuição e relaxamento, a sistematização do seu ensino seguiu as idéias reveladas a medida em que as seções iam acontecendo. Os pontos reforçados com o acúmulo de experiências foram aprender a dar o peso, testar a gravidade, a desorientação e criar segurança para um solo ou uma dupla sabendo cair, rolar e relaxar. Por isso se diz que é difícil definir o ensino e aprendizado do Contact, assim como ele próprio.Embora o facilitador aprenda os princípios básicos pra passar ao seu grupo, a forma de dançar vai surgir da experiência de cada dançarino, a partir da reação entre o que ele experimenta na seção e o seu próprio corpo e mente.

retirado do site:

http://www.facom.ufba.br/com024/contact/improvisation.html


Contact Improvisation es una técnica de danza que surgió en los años setenta en los Estados Unidos. Sus orígenes y características son narrados en este artículo.

Los Orígenes
A principios de los años 70 en los Estados Unidos surge una nueva forma de danza denominada "Contact Improvisation". Este hecho formó parte de las experiencias sociales de comunitarismo e igualitarismo que sucedieron simultáneamente en diversas organizaciones sociales y políticas.
Un grupo de hombres liderados por Steve Paxton comenzaron investigando la cualidad refleja del toque, los impulsos, las caídas, las roladas y los choques. Esta experiencia conocida por el nombre de "Magnesium" fue el inicio de una forma de danza que hasta el día de hoy esta en constante desarrollo, cambio y crecimiento. Tanto su creador, Steve Paxton como los primeros "contacters" venían del campo de la danza moderna, sin embargo, han tomado elementos e ideas de técnicas tales como el Tai chi Chuan y el Aikido. Muchos de sus participantes sentían que formaban parte un movimiento social mas amplio cuya ideología rechazaba los roles sexuales tradicionales y las jerarquías sociales. Los bailarines se concentraban mas en la percepción interna del movimiento y en el contacto con el otro más que en las formas y rutinas de movimiento definidas. Ellos consideraban que el contacto y la interacción con otra persona de igual o diferente sexo, tamaño, origen, etc. era una manera de construir y tener una nueva experiencia del Yo.

La manzana de Newton
Cuando una manzana cayó sobre su cabeza, Isaac Newton, se inspiró para describir las tres leyes del movimiento. Muchos años después un grupo de personas investigaría como se siente "ser la manzana". Los bailarines ponen en movimiento la masa corporal para ir mas allá del constante llamado de la gravedad hacia la oscilación y el orbitar invitante de la fuerza centrifuga. La esencia de la improvisación reside en descubrir que es posible superar la tercera ley de Newton descubriendo que para cada acción ejercida por un cuerpo existe no solo una reacción igual y opuesta en el otro cuerpo (ley de acción y reacción) sino que para cada acción son posibles varias y diferentes reacciones iguales y opuestas.

De La pequeña a la Gran Danza
Estar simplemente de pie en contacto con la tierra fue uno de los principales ejercicios de entrenamiento. La mente atenta en el aquí y ahora percibiendo los pequeños movimientos del cuerpo producidos por la gravedad. La tarea es observar los sutiles movimientos de ajuste constante que realiza el cuerpo para impedir su caída. Esta "Pequeña Danza" es una forma de meditación que calma y prepara al ser para las complejas interacciones con otro cuerpo a partir de una zona de contacto. A partir del toque, los cuerpos se comunican, juegan a moverse y ser movidos, exploran formas de tratar el impulso y la gravedad.
Cada danza implica una serie de decisiones instantáneas. La piel esta sensible, la mente alerta y atenta. Las percepciones se amplían. El calor aumenta y ambos cuerpos se adrenal izan. La gran danza comienza.
Los propios movimientos son estimulados y producidos por los movimientos del otro. Esta es la base del dialogo cuyos códigos son desde los sutiles toques hasta el dar y recibir el peso de toda la masa corporal.

retirado do site:
http://www.luciernaga-clap.com.ar/articulosrevistas/1_contactimp.htm

video: drica rocha --------Sotão 73



terça-feira, agosto 21, 2007

Os Sertões - José Celso Martinez

Peça Os Sertões será encenada no Museu du Ritmo















retirado de http://www.atarde.com.br/cultura/noticia.jsf?id=781183

Galeria de Fotos

Vídeo

Áudio

Ao Vivo

A Tarde On Line

A peça “Os Sertões” será encenada no Museu du Ritmo, antigo Mercado do Ouro, no Comércio, entre os dias 5 a 9 de setembro. Inicialmente, a montagem seria apresentada no Teatro Vila Velha, mas foi transferida devido à maior capacidade de público do novo espaço, para até mil expectadores.

Com a direção de José Celso Martinez Correia, o espetáculo conta a saga narrada por Euclides da Cunha do cotidiano do povo nordestino. A história será contada durante os cinco dias: “A Terra” (dia 5/09), “O Homem 1” (dia 6/09), “O Homem 2” (dia 7/09), “A Luta 1” (8/09) e “A Luta 2” (9/09). A montagem na Bahia marca o começo das comemorações dos 50 anos do Teatro Oficina, que acontece até 16 de agosto de 2008, data do aniversário do grupo.

A montagem conta com uma equipe de 70 pessoas, distribuídos entre 47 atores, músicos, dançarinos e atores mirins, câmeras ao vivo, contra-regras e, nos bastidores, iluminadores, sonoplastas, VJs, produtores, camareiras e pessoal de apoio.

Serviço:

O quê: Os Sertões, com direção de José Celso Martinez

Quando: de 5 a 9 de setembro

Horário: 5 e 6 às 20 horas; 7 a 9 às 18 horas

Quanto: R$20 (inteira) e R$10 (meia), cada uma das apresentações

Vendas no local a partir de 1º de setembro

domingo, agosto 19, 2007

MOMIX - LUNAR SEA

MOMIX

Momix volta ao Brasil para turnê em seis capitais

Plantão | Publicada em 11/07/2007 às 13h45m

O Globo Online Cena de 'Lunar sea'. Foto: divulgação

SÃO PAULO - A companhia de dança norte-americana Momix criada há 27 anos pelo coreógrafo Moses Pendelton e famosa por coreografias que unem acrobacias, ilusionismo, efeitos visuais e dança de vanguarda fará uma nova turnê brasileira a partir de agosto em seis capitais apresentando dois espetáculos de seu repertório: "Opus cactus", em que faz um passeio pelas estranhas, coloridas e sedutoras imagens do deserto e "Lunar sea", uma experiência sensorial onde os bailarinos brincam com a ausência da gravidade.

A turnê da companhia começa no Rio de Janeiro, onde eles se apresentam no Theatro Municipal nos dias 6, 8 e 9, e no Citibank Hall nos dias 11 e 12 de agosto. Em São Paulo, eles ocupam o palco do Via Funchal, dos dias 15 a 18 de agosto. Nos dias 20 e 21 é a vez de Brasília, na Sala Villa Lobos. Dias 22 e 23 a companhia desembarca em Salvador, no Teatro Castro Alves. Recife é a próxima parada, dias 25 e 26, no Teatro Guararapes, e fechando a turnê brasileira o grupo se apresenta no Teatro Guaira, em Curitiba, no dias 1 e 2 de setembro.

"Opus cactus"

Lagartos saltitantes, flores exóticas, serpentes gigantes, pássaros coloridos, cactus saguaros – este é o universo que o público vai encontrar em "Opus cactus", um dos espetáculos criados por Moses Pendleton para o Momix. A inspiração de Pendleton foram os gigantescos cactus saguaros, cartões postais do Deserto do Arizona. Durante muito tempo, Moses, que também é fotógrafo, andou pelo mundo em busca de imagens do deserto.

Cena de 'Opus cactus'. Foto: divulgação

A impressão que Pendleton teve em suas viagens chegou ao palco em 2001. Era um passeio alucinógeno, dividido em dois atos, e estes em vinhetas, animadas por uma seleção musical tão inusitada quanto o próprio deserto – uma mistura de Bach com Brian Eno, Dead Can Dance com música aborígene australiana e canções nativas americanas. A iluminação, detalhe crucial que também leva a assinatura de Pendleton, junto com Joshua Starbuck e John Finen, ajuda a construir no palco o passeio.

"Lunar sea"

Criado para celebrar os 25 do Momix em 2005, "Lunar sea" é um balé que acontece na Lua, com 85 minutos de duração. Era um sonho antigo de Moses Pendleton, que queria escrever um espetáculo cuja ação se passasse no oceano ou no espaço, onde a gravidade não limitasse os movimentos dos bailarinos. Boa parte das imagens se passa no escuro, onde se destacam corpos que brilham e executam intricados e sedutores movimentos reunindo ginástica, dança e acrobacia.

Uma tela separa o palco da platéia, recebendo projeções de imagens surrealistas, que aprofundam a idéia de sonho, idealizada pelo diretor ao criar o espetáculo. Como em todos os espetáculos do Momix, a iluminação – assinada por Moses e Joshua Starbuck, tem papel fundamental. Outro ponto de destaque é o figurino – não só o que veste com cores os bailarinos, que o público vê, mas também o que esconde o que não é para se ver. Muitas das cenas de "Lunar sea" são feitas por duplas de bailarinos, só que alguns totalmente invisíveis, cobertos de preto dos pés à cabeça.

RIO DE JANEIRO Local: Theatro Municipal - Datas: 06, 08 e 09 de agosto - Horário: 20h30 - Programa: Dia 06 – Opus Cactus Dia 08 – Opus Cactus Dia 09 - Lunar Sea Preços: Frisa e Camarote - R$ 1.200,00 Balcão Nobre e Platéia - R$ 200,00 Balcão Simples - R$ 100,00 Galeria - R$ 60,00 Disque Dell`Arte: 3235-8545 / 2568-8742 www.ticketronic.com.br

RIO DE JANEIRO Local: Citibank Hall Datas: 11 e 12 de agosto Horário: Dia 11 – 17h e 21h30 Dia 12 – 18h Programa: Opus Cactus Preços: Camarote - R$ 200,00 Cadeira Vip - R$ 200,00 Cadeira Palco - R$ 160,00 Cadeira Especial - R$ 120,00 Poltrona - R$ 120,00 Cadeira Central - R$ 100,00 Cadeira Lateral - R$ 70,00 Horário da bilheteria: das 12:00 às 20:00hs (de segunda à domingo) Disque Dell`Arte: 3235-8545 / 2568-8742 www.ticketmaster.com.br

SÃO PAULO Local: Via Funchal Datas: 15 a 18 de agosto Horário: Dias 15, 16 e 17 – 21h30 Dia 18 - 15h Programa: Dias 15 e 16 - Lunar Sea Dias 17 e 18 – Opus Cactus Preços: Platéia Vip - R$ 220,00 Platéia 1 - R$ 180,00 Platéia 2 - R$ 150,00 Platéia 3 - R$ 110,00 Platéia Lateral - R$ 80,00 Camarote - R$ 220,00 Mezanino - R$ 180,00 Mezanino Lateral - R$ 150,00 Via Funchal: Horário da bilheteria: das 12:00 às 22:00hs (de segunda à domingo) Disque Dell`Arte: (11) 6163-5087 www.viafunchal.com.br

BRASÍLIA Local: Sala Villa Lobos - Datas: 20 e 21 de agosto - Horário: 21h - Programa: Opus Cactus - Preço: R$ 160,00 - Disque: 61 3325-6256/ 3325-6109

SALVADOR Local: Teatro Castro Alves - Datas: 22 e 23 de agosto Horário: 20h30 Programa: Lunar Sea Preços: Setor A - R$ 80,00 Setor B - R$ 60,00 Setor C - R$ 40,00 Teatro Castro Alves: (71) 3339-8014 SAC Shopping Barra – (71) 3264-5955/ SAC Shopping Iguatemi: (71) 3450-5922 Abertura Vendas: 1º/8/2007

RECIFE Local: Teatro Guararapes Datas: 25 e 26 de agosto Horário: Dia 25 – 21h Dia 26 – 20h30 Programa: Opus Cactus Teatro Guararapes - Bilheteria 09:00 às 17:30h Abertura Vendas: 1º/8/2007 Preços: Platéia Especial - R$ 100,00 Platéia - R$ 80,00 Balcão - R$ 80,00

CURITIBA Local: Teatro Guaira Datas: 1 e 2 de setembro Horário: Dia 1 - 21h Dia 2 – 19h30 Programa: Lunar Sea Preços: Platéia - R$ 120,00 Primeiro Balcão - R$ 100,00 Segundo Balcão - R$ 70,00 Teatro Guaíra: (41) 3304-7900 / 7982 DiskIngressos: (41) 3315-0808 Abertura Vendas: início agosto

retirado do site: http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2007/07/11/296729748.asp

Video Dança - Festival Tápias



O FESTIVAL TÁPIAS, já na sua décima oitava edição, abre espaço para artistas independentes e profissionais, agregando bailarinos, coreógrafos, atores, diretores, videomakers e criadores de diversas tendências artísticas, garantindo rica interação entre os vários segmentos artísticos.

Inicialmente dedicado somente à dança, em 2004, o FESTIVAL TÁPIAS apresentou um novo perfil, abrangendo duas novas modalidades: Vídeos de Dança e Esquetes de Teatro. E, em 2005, o evento incluiu a Música. A iniciativa visou integrar essas áreas distintas, porém complementares, à dança. Cada vez mais, a dança contemporânea utiliza práticas teatrais na preparação de seus bailarinos e no desenvolvimento e tratamento do enredo. Instalações multimídias são cada vez mais empregadas como elementos cenográficos, muitas vezes atribuindo à projeção de vídeo um caráter interativo com a cena. Além disso, de uns anos para cá, a dança vem se aproximando da música na concepção de seus espetáculos, quando muitos compositores trabalham ao lado dos coreógrafos, buscando uma unidade entre a estrutura coreográfica e a trilha sonora inédita. Com isso, ao agregar intérpretes e criadores de diversas tendências artísticas, garantimos rica interação entre os segmentos.

Com dezenas de trabalhos inscritos em cada modalidade, centenas de participantes dos mais variados segmentos artísticos, destaque na imprensa local e alta freqüência de público em todos os dias de evento, a edição 2005 do FESTIVAL TÁPIAS DE ARTES INTEGRADAS foi um verdadeiro sucesso. A iniciativa inédita de promover um evento voltado para as artes integradas potencializa o intercâmbio de linguagens, informação e formação artística dos participantes, atraindo uma imensa faixa da população ao evento. Em 2005, vimos na platéia um público de todas as idades e todas as camadas sociais, interessado nas mais diversas formas de arte.

Sendo a dança um organismo vivo, mutante, volátil, repleto de estilos distintos e complementares, torna-se fundamental que eventos destinados à promoção, circulação e difusão da dança, desenvolvam novas estratégias que garantam a pluralidade de seus objetivos.

Preocupado com o aspecto negativo da competitividade, o FESTIVAL TÁPIAS adotou novos critérios de avaliação, extinguindo o modelo de júri e criando um Painel Artístico composto por pesquisadores, jornalistas, cineastas, teatrólogos, compositores e coreógrafos, que emitirá pareceres qualitativos a respeito de todos os trabalhos apresentados. Tal mudança na conceituação do festival visa indicar obras e artistas que se destacaram, incentivando-os com premiações voltadas para a produção de novas criações sejam elas de dança, teatro, música ou vídeo.

A divisão por estilos e categorias especiais empregada pelo Festival Tápias de Dança, coordenado por Flávia Tápias, aponta para a consolidação de uma proposta abrangente e coerente, onde possíveis dificuldades na escolha das obras possam ser minimizadas. Para tanto, o regulamento estabelece as seguintes categorias: Etapa I, estágio inicial, a partir de 6 anos; Etapa II, nível intermediário, a partir de 11 anos; Etapa III, coreógrafos independentes; e Etapa IV, profissional. Os trabalhos coreográficos serão analisados por etapa, independente da modalidade (clássico, clássico de repertório, jazz, contemporâneo, sapateado, dança folclórica, dança de rua, dança de salão, etc) e do número de participantes (solo, duo, trio ou grupo). No final de cada noite, logo após o espetáculo, serão convidados alguns dos coreógrafos, artistas ou diretores participantes da respectiva noite, para um debate. O número de artistas convidados para o bate-papo, dependerá da necessidade do Painel Artístico.

O Painel Artístico destacará alguns trabalhos, que receberão prêmios especiais: Criação Coreográfica para cada Etapa (I, II, III e IV); Trabalho (voto popular); Coreógrafo; Figurino; Revelação (específico para o ballet clássico); e Intérpretes (masculino e feminino). A premiação do trabalho por voto popular será definida mediante o depósito do voto do público presente, em urna colocada no foyer da CAIXA CULTURAL.



Vídeo Dança - por Luiza Fagá













Por Luiza Fagá

Dziga Vertov, cineasta ucraniano autor de Um Homem com uma Câmera, de 1929, integrante da escola soviética, afirmava que, se fossem dadas câmeras a duas pessoas para que filmassem um espetáculo de dança e uma permanecesse sentada na platéia enquanto a outra passeasse pelo palco, ele não precisaria nem assistir às duas gravações para escolher a melhor: a segunda. Isso porque "num balé, o espectador acompanha, efetivamente, e de modo desordenado, ora o grupo de bailarinos, ora, ao acaso, uma expressão facial (...). A câmera 'dirige' o olho do espectador das mãos às pernas, das pernas aos olhos etc., na ordem que mais lhe favoreça, e organiza os detalhes graças a uma montagem cuidadosamente estudada".

A videodança, surgida em fins da década de 1960, é um gênero híbrido entre cinema e artes do corpo. Integra coreógrafos e videomakers em uma experiência artística que não é só dança nem só videoarte, e sim a comunhão dessas duas linguagens. Quase 85 anos depois do tratado publicado por Vertov, ela mostra que a regra do cineasta continua valendo.

Imagens nada estáticas
Gil Grossi é fotógrafo, dançarino e professor. Começou como fotógrafo, mas, ao prestar serviço para uma companhia de dança, recebeu aulas como pagamento. Gostou. Desde 1985 ele pesquisa, em parceria com Luciana Bortoletto, a fusão da linguagem fotográfica com a dança contemporânea. Essa união entre linguagens foi batizada de fotodança. Grossi não vê paradoxo entre o movimento essencial da dança e o estático suporte fotográfico. Para ele, a fotografia tem, sim, movimento, que é construído na composição do quadro. "Na fotografia seu olho dança", afirma. Ele se diz apaixonado pelo registro do movimento. "O que se mexer eu fotografo."



O videomaker Matheus Rocha, premiado pelo programa Rumos Itaú Cultural Dança 2006-2007 com Sensações Contrárias, trabalho em conjunto com o também videomaker Amadeu Alban e o coreógrafo Jorge Alencar, é enfático ao afirmar que o que diferencia dança e videodança não é apenas o suporte, e sim a linguagem cinematográfica. "Uma dança ao vivo filmada por uma câmera não poderia ser considerada videodança. Ver um vídeo de registro é como estar em um teatro vendo a dança no palco, mas sem a emoção de estar lá." Alex Cassal, videomaker contemplado pelo mesmo programa, com Jornada ao Umbigo do Mundo, em parceria com a coreógrafa Alice Ripoll, afirma que "o vídeo tem o seu foco muito definido, aquilo que vai ser visto já está enquadrado. Em um espetáculo, de modo geral, o campo de visão é muito maior, o espectador pode escolher olhar para algo que não é necessariamente o foco escolhido pelo diretor".

Videomaker coreógrafo, coreógrafo videomaker
Celina Portella, coreógrafa parceira da videomaker Elisa Pessoa, dupla também contemplada pelo Rumos Itaú Cultural Dança 2006-2007, com a videodança Passagem, concorda com os colegas e diz que a videodança é "completamente diferente" de um simples registro em vídeo. Segundo ela, a concepção da coreografia em uma videodança leva em consideração o ponto de vista da câmera, e não o de uma platéia. "Não adianta fazer um movimento supercomplexo se a câmera está enquadrando uma expressão facial." Matheus completa: "A coreografia na videodança está aliada a enquadramentos e fragmentação. Ela existe por causa da câmera e da montagem, não existe sozinha". Segundo Alex, o nível de interferência que a linguagem audiovisual terá na coreografia depende da dinâmica construída pela equipe. "Acredito que as escolhas básicas sejam onde colocar o olho da câmera/espectador e quanto a edição vai interferir na fruição do espetáculo", diz ele.

Como em qualquer linguagem híbrida, coreógrafos estabelecem uma relação de interdependência. Para Matheus, em uma videodança coreógrafo e videomaker têm "a mesma importância, sem sombra de dúvida". Para explicar, ele afirma que o limite entre as funções não é tão claro. "O videomaker também é coreógrafo, porque está construindo a dança por meio de uma linguagem que é cinematográfica. E o coreógrafo é também videomaker, uma vez que ele tem de pensar o movimento dentro de um quadro e como parte de uma seqüência de outros movimentos que estarão juntos na montagem."

Celina também acredita que o ideal é que seja atingido o equilíbrio entre as partes. Ela ainda afirma que o entrosamento é fator fundamental para o bom resultado. A coreógrafa trabalha sempre com a videomaker Elisa. "Isso ajuda muito, pois eu conheço a forma de ela trabalhar. A coreografia e a câmera conversam."

retirado do endereço:
http://www.itaucultural.org.br/index.cfm?cd_pagina=2720&cd_materia=114&mes_revista=8